SOBRE O SIGNIFICADO DE COMO EMPREGO ALGUMAS PALAVRAS NESTE SÍTIO
Euler Sandeville Jr.
São Paulo, 23 de abril de 2016.
Atualizado 27/04/2016

 

Penso que seja importante esclarecer o sentido de algumas palavras e de como os usarei neste sítio. Sei que há outras interpretações. De qualquer modo, o sentido de qualquer palavra ou frase só existe no contexto em que é utilizada. Você não precisa aceitar ou concordar, mas é importante que o modo como emprego certas palavras fique claro, para uma boa comunicação. Para uma comunicação rápida coloco abaixo uma definição rápida do modo como estou empregando cada palavra, e a seguir detalho (justifico) o porque as estou utilizando desta forma, e não de outra, neste sítio. Veja, não estou dizendo que este é o verdadeiro sentido e muito menos o único destas palavras, apenas que, neste sítio, as estou empregando deste modo.

1. DEFINIÇÕES

  • religião: sistema organizado de procedimentos, ritos, de comportamentos e obrigações exteriores. Não a utilizo no sentido de busca de Deus.
  • refere-se a uma disposição interior de coração e espírito e é a convicção plena de que há um só Deus criador de todas as coisas, que enviou seu Filho que morreu por nossos pecados e ressuscitou, e irá voltar na consumação dos ANTIGO E NOVO TESTAMENTO tempos.
  • Palavra de Deus é a Bíblia
  • Antigo Testamento = Antiga Aliança
  • Novo Testamento = Nova Aliança2. EXPLICAÇÃORELIGIÃO

Refere-se a um sistema organizado de procedimentos, ritos, fundados ou não em alguma crença. Assim, o catolicismo, o cristianismo em seu sentido coloquial e secular, o budismo, seicho-no-ie, o espiritismo, rosa cruz, e tantos outros são religiões, ou seitas, mas de qualquer modo, indicam um comportamento religioso, devoto, ou de fidelidade a uma estrutura criada por um conjunto de homens. Mas também partidos políticos, organizações militares, clubes e associações civis de classe ou de interesses, e até a ciência, muitas vezes, negando relação com Deus ou com o sobrenatural, atestam um comportamento religioso. Importante é discernir que religião e fé são coisas distintas. Muitas vezes a palavra religião, que também pode indicar a procura por Deus, indica na Bíblia a disfunção desses esforços humanos de organização e purificação por ritos e regras, por formas estereotipadas de como se deve proceder, como no caso dos fariseus e saduceus dos tempos de Jesus. Este é o sentido utilizado aqui quando escrevo religião. A religião remete ao campo do comportamento para algum fim, a fé refere-se a uma disposição interior de coração e espírito. No latim seu sentido é outro e nos acostumamos com ele, é a ideia de que fazendo parte de uma religião alguém possa religar-se a Deus.

A palavra grega traduzida por religião no Novo Testamento é threskeía. Tanto pode se referir à adoração de Deus (em cultos e ofícios) quanto ao zelo, ao excesso religioso. Ela é utilizada apenas em 4 passagens no Novo Testamento! Em At. 26:5, em Cl. 2:18, Tg. 1:26, 27. No hebraico, a palavra equivalente parece ser `avodháh, que pode ser traduzido por “serviço” ou “adoração”. A religião pode, portanto, ter um aspecto positivo ou negativo. Mas na Bíblia, embora a palavra latina signifique religar, nenhum sistema de práticas pode fazer isso, que está reservado à fé, à comunhão espiritual com Deus. Por isso Tiago, seguindo o profeta Isaías, e outros textos do Antigo Testamento, nos diz que “A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo” (Tiago 1.27). O trecho de Isaías menciona o jejum, mas ao vermos do que está falando de fato, é das práticas dos preceitos da religião sem um coração sincero:

Clama em alta voz, não te detenhas, levanta a tua voz como a trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão, e à casa de Jacó os seus pecados. Todavia me procuram cada dia, tomam prazer em saber os meus caminhos; como se fossem um povo que praticasse a justiça e não tivesse abandonado a ordenança do seu Deus, pedem-me juízos retos, têm prazer em se chegar a Deus!, Por que temos nós jejuado, dizem eles, e tu não atentas para isso? por que temos afligido as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais, prosseguis nas vossas empresas, e exigis que se façam todos os vossos trabalhos. Eis que para contendas e rixas jejuais, e para ferirdes com punho iníquo! Jejuando vós assim como hoje, a vossa voz não se fara ouvir no alto. Seria esse o jejum que eu escolhi? o dia em que o homem aflija a sua alma? Consiste porventura, em inclinar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza? chamarias tu a isso jejum e dia aceitável ao Senhor? Acaso não é este o jejum que escolhi? que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo? e que deixes ir livres os oprimidos, e despedaces todo jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne? Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará. e a tua justiça irá adiante de ti; e a glória do Senhor será a tua retaguarda.

A fé refere-se a uma disposição interior de coração e espírito. É a convicção plena de que há um só Deus criador de todas as coisas, que enviou seu Filho que morreu por nossos pecados e ressuscitou, e irá voltar na consumação dos tempos quando todos os propósitos do coração humano (os meus, os seus, os de todos) estarão descobertos diante de Deus, dando origem a uma nova criação livre do pecado e da morte, mas sobretudo, na presença eterna de Deus. Há outros usos para essa palavra, e até antagônicos a este. Eu sei. Mas como estou expondo o que está na Bíblia, fé irá se referir a essa condição interior de confiança diante de Deus e de entrega a Deus por meio de Jesus. Para evitar confusão, os outros usos que possam ser atribuídos a essa palavra, aqui serão remetidos às palavras religião e crença. Neste sítio, a palavra fé será empregada com esta significação e religião com aquela.

A Wikipidia define fé da seguinte forma: “Fé (do Latim fide) é a adesão de forma incondicional a uma hipótese que a pessoa passa a considerar como sendo uma verdade sem qualquer tipo de prova ou critério objetivo de verificação, pela absoluta confiança que se deposita nesta ideia ou fonte de transmissão”. Podemos considerar uma boa definição. A Bíblia deixa claro: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem” (Hebreus 11.1). A palavra grega é πίστις (pistis), e significa fé, confiança, verdade. Segundo a http://bibliaportugues.com é empregada cerca de 243 vezes. No hebraico a palavra equivalente é EMUNAH. Segundo o sítio http://bibliotecabiblica.blogspot.com.br, é empregada em “אֵמוּן (emun) Deu 32:20. אֱמוּנָה Jer 5:3. אֲמָנָה, Nee 10:1 (Nee 9:38). אֱמֶת , Pro 3:3. אָמַן ni., Jer 15:18, אֵמוּן 2, Sa 20:19, tsir emuním = enviado fiel (Pro 13:17). Var. אֵמֻן; Pl. אֱמוּנִים, אֱמֻנִים; Const.pl. אֱמוּנֵי. O substantivo אֵמוּן (emun) é uma palavra rara, ocorrendo apenas 5 vezes no AT.: Deu 32:20; Pro 13:17; 14:5; 20:6; Isa 26:2”.

PALAVRA DE DEUS.

É a Bíblia, também chamada as Escrituras. Mas Deus não pode falar de outras formas? Quem somos, para dizer o que Ele pode? É claro que pode, e a Bíblia mesmo indica que Deus falou ao coração dos homens de muitos modos, através de profetas, através das coisas criadas a que chamamos natureza, através daqueles que o amam e seguem suas palavras. Mas Palavra de Deus, ou simplesmente a Palavra, a exemplo da palavra fé, neste sítio será uma menção à Bíblia.

Bem-aventurados os que trilham com integridade o seu caminho, os que andam na lei do Senhor!
Bem-aventurados os que guardam os seus testemunhos, que o buscam de todo o coração,
que não praticam iniqüidade, mas andam nos caminhos dele!
Tu ordenaste os teus preceitos, para que fossem diligentemente observados.
Oxalá sejam os meus caminhos dirigidos de maneira que eu observe os teus estatutos!
Então não ficarei confundido, atentando para todos os teus mandamentos.
Louvar-te-ei com retidão de coração, quando tiver aprendido as tuas retas ordenanças.
Observarei os teus estatutos; não me desampares totalmente!
Como purificará o jovem o seu caminho? Observando-o de acordo com a tua palavra.
De todo o meu coração tenho te buscado; não me deixes desviar dos teus mandamentos.
Escondi a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti.
Bendito és tu, ó Senhor; ensina-me os teus estatutos.
Com os meus lábios declaro todas as ordenanças da tua boca.
Regozijo-me no caminho dos teus testemunhos, tanto como em todas as riquezas.
Em teus preceitos medito, e observo os teus caminhos.
Deleitar-me-ei nos teus estatutos; não me esquecerei da tua palavra.
Faze bem ao teu servo, para que eu viva; assim observarei a tua palavra.
Desvenda os meus olhos, para que eu veja as maravilhas da tua lei. (Salmo 119.1-18)

Mas devemos ter cuidado e discernir todas as coisas. Pessoas, ao longo dos tempos, têm usado a Bíblia, alterando seu significado, para religiões que elas mesmas inventaram e para práticas até contrárias à palavra de Deus, negando-lhe o amor e promovendo guerras, divisões, ciúmes, blasfêmias, cobiça, amor ao dinheiro que é idolatria, lascívia, feitiçaria, superstições. Muitas vezes impõem sobre as pessoas pesados fardos, que elas mesmas não carregam. Controlam, usam crendices, misturam engano com a verdade, para sutilmente se apossar de incautos e pessoas atormentadas por seus pecados e males. Deus nos dá liberdade. Daí porque, embora Deus possa nos falar de muitas formas, e fale, sempre deverá estar de acordo com a Bíblia:

Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema (Gálatas 1.8)

Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas dissoluções, e por causa deles será blasfemado o caminho da verdade; também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita (2 Pedro 2.1-3).

Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim (Atos 17.11).

Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; mas eles mesmos nem com o dedo querem movê-los. Todas as suas obras eles fazem a fim de serem vistos pelos homens; pois alargam os seus filactérios, e aumentam as franjas dos seus mantos; gostam do primeiro lugar nos banquetes, das primeiras cadeiras nas sinagogas, das saudações nas praças, e de serem chamados pelos homens: Rabi. Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi; porque um só é o vosso Mestre, e todos vós sois irmãos. E a ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque um só é o vosso Pai, aquele que está nos céus. Nem queirais ser chamados guias; porque um só é o vosso Guia, que é o Cristo (Mateus 23.4-10).

Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; (Colossenses 2.8)

Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo. Ninguém atue como árbitro contra vós, afetando humildade ou culto aos anjos, firmando-se em coisas que tenha visto, inchado vãmente pelo seu entendimento carnal, e não retendo a Cabeça, da qual todo o corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo com o aumento concedido por Deus. Se morrestes com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: não toques, não proves, não manuseies (as quais coisas todas hão de perecer pelo uso), segundo os preceitos e doutrinas dos homens? As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate contra a satisfação da carne (Colossenses 2.16-23).

Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos; pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder. Afasta- te também desses. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; sempre aprendendo, mas nunca podendo chegar ao pleno conhecimento da verdade (2 Timóteo 3.1-7).

Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Mas não useis da liberdade para dar ocasião à carne, antes pelo amor servi-vos uns aos outros. Pois toda a lei se cumpre numa só palavra, a saber: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais uns aos outros. Digo, porém: Andai pelo Espírito, e não haveis de cumprir a cobiça da carne. Porque a carne luta contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes se opõem um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade. a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito (Gálatas 5.13-25).

ANTIGO E NOVO TESTAMENTO

O Antigo Testamento refere-se às promessas de Deus que se cumpriram na vinda de Jesus, e como deveriam viver as pessoas antes disso, em especial os judeus, povo escolhido para ser o detentor dessas promessas guardando-as até o tempo devido. O Novo Testamento conta o nascimento, morte e ressurreição de Jesus e as recomendações para aqueles que desejam seguir a Jesus. Mas a palavra Testamento talvez não seja a melhor para dizer a que se referem esses livros.

São na verdade duas Alianças de Deus com os homens, a Lei dada a Moisés no Sinai, e a redenção dos pecados dada por Deus através da morte e ressurreição de Jesus. A Bíblia as trata como Primeira Aliança e Nova Aliança, na carta aos Hebreus. Como Jesus disse na páscoa, antes de ser oferecido para remissão de nossos pecados (a palavra pacto também é traduzida como aliança):

Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, abençoando-o, o partiu e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. E tomando um cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; pois isto é o meu sangue, o sangue do pacto, o qual é derramado por muitos para remissão dos pecados. Mas digo-vos que desde agora não mais beberei deste fruto da videira até aquele dia em que convosco o beba novo, no reino de meu Pai. E tendo cantado um hino, saíram para o Monte das Oliveiras (Mateus 26.26-30).