NO COMEÇO (GÊNESIS 4 A 7). II. AS PRIMEIRAS GERAÇÕES
Euler Sandeville Jr.
Setembro de 2017

 

Esses primeiros capítulos da Bíblia começam, depois da expulsão do Éden (cap. 3), com o nascimento de Caim e Abel, e o primeiro assassinato, já na aurora da humanidade (cap. 4). O relato depois dá conta dos feitos de 9 descendentes de Caim que são mencionados, em 6 gerações a partir dele, 7 contando com Adão. É um trecho sombrio, que começa com o desvio de coração e propósito de Caim, que mata seu irmão, e termina com a história de Lameque, o sétimo desde Adão pela linhagem de Caim, que mata um homem e um jovem. De Lameque são mencionados três filhos e uma filha. E não se fala mais de seus descendentes.

As gerações de Sete são mencionadas a partir do capítulo 4.25 até o final do capítulo 5. São 9 gerações até Noé (10 se contarmos Adão). O sétimo depois de Adão que a Bíblia menciona pela linhagem de Sete é Enoque, um homem que anda com Deus, e Deus o toma para si e lhe concede o descanso para além do mundo iníquo em que vivia. Como a Lameque, também de Noé são mencionados três filhos. Mas enquanto os descendentes de Lameque não são mais contados, da família de Noé, que sobrevive ao dilúvio, decorre a preservação e continuidade de toda a humanidade. Difícil não perceber um certo sentido nesses números.

1. Adão e Eva

2. Caim

2. Abel

2. Sete

3. Enoque

3. Enós

4. Irad

4. Cainã

5. Maviael

5. Malaleel

6. Matusael

6. Jared

7. Lameque

7. Enoque

8,9, 10, 11. Jabel, Jubal, Tubalcaim e Naamá

8. Matusalém

9. Lameque

10.Noé

11,12,13.Sem, Cam e Jafé

Tabela 1: Gerações de Adão a Noé, org. do autor

Podemos notar também uma certa semelhança nos nomes de dois dos descendentes de Caim e de Sete1. O primeiro filho de Caim chamava-se Enoque, e seu sétimo descendente foi Lameque, com cujos filhos o relato da descendência de Caim se encerra. Mas há um outro Enoque, o sétimo pela linhagem de Adão por Sete, que é tomado para Deus, e sua linhagem prossegue até Noé. Daí podemos perceber que não é o nome que uma pessoa herda, mas o caminho que ela vai escolher o que a definirá.

Se tomarmos ao pé da letra a duração desses antigos patriarcas, como geralmente são referidos, veremos que quando Enoque nasceu Adão ainda vivia. Observe-se ainda que Adão e Eva tiveram, entre seus muitos filhos, três que são mencionados nas Escrituras: Caim, Abel e Sete, dos quais temos a genealogia de Caim e Sete. A Lameque, descendente de Caim, são mencionados três filhos e uma filha. Também a Noé, entre seus filhos, são mencionados 3: Sem, Cam e Jafé, demarcando a narrativa desse mundo entre a expulsão do jardim e sua destruição quase completa no dilúvio.

A duração da vida de Adão permite supor que ele viu tanto os descendentes de Sete até Enoque, Matusalém e Lameque, e possivelmente, por equivalência, mas não indicado nas escrituras, os descendentes de Caim até Lameque e seus filhos Jabal, Jubal, Tubalcaim e Naamá. A descendência de Caim se interrompe assim em Lameque, já que de seus filhos não são mencionados os descendentes, ao contrário dos filhos de Noé, que são mencionados depois do dilúvio. A descendência é, nas Escrituras e em toda a Antiguidade, tratada como uma benção, o que realça essas menções. A descendência de Caim não se interrompe em Lameque, apenas não é mais mencionada, o que precisava ser dito para nossa instrução o foi. Já a de Noé, que “andou com Deus”, com os problemas e contradições que enfrenta, é amplamente mencionada.

Mas a equivalência maior está nesse trecho inicial está entre Lameque, descendente de Caim, e Enoque, descendente de Sete, ambos o sétimo desde Adão. Tendemos a considerar que o 7 é um número de perfeição; seis foram os dias da criação, no sétimo Deus contempla a obra e vendo tudo muito bom, descansa. Porem, pela linhagem de Caim, o sétimo desde Adão não é um homem que anda com Deus, e sim um assassino que não se volta a Deus. Deles, embora se mencionem algumas ocupações de destaque, não se menciona nem a duração de suas vidas, nem a nota característica na descendência de Sete: viveu tantos anos, gerou filhos e filhas “e morreu”. O que isso significa?

Entendo que, como é hoje, a Bíblia nos mostra com isso que o que nos diferencia não é a posição que herdamos, religiosa ou não, nem mesmo a condição simbólica de um número para alguns sagrados. Dos descendentes de Caim, muitos foram habilidosos, inventores, artistas de renome, mas não é nem a genealogia, nem o grupo a que pertencemos, nem os sucessos que acumulamos o que nos define. A vida que é tida longe de Deus encontra sua recompensa nas distrações e fainas que povoam a existência em seu imediato, mas sua duração não importa, diante da eternidade é como se não houvessem vivido, porque o que se mostra é o ensurdecimento desse caminho para a escuta de Deus. O que está em questão com Caim e Lameque, Abel, Sete, Enoque e Noé, é o coração.

Se não pensarmos a partir do primeiro casal, e sim dos que já nascem neste mundo após o cerramento do jardim no Éden, veremos então que Lameque descendente de Caim e Enoque descendente de Sete são a sexta geração. Há quem diga que o 6 é um número que indica a humanidade. Certa ou errada essa presunção, há algo mais importante aqui. Nesses afazeres e conquistas humanas debaixo do sol, debaixo do céu, com seu progresso material e cultural, veremos que a humanidade vai sendo preservada, mas não em sua totalidade. Nenhum de nós pode se furtar a esses afazeres, mas o que agrada a Deus não é nossa habilidade nessas coisas, mas as escolhas que fazemos, isto é, o que vai em nosso coração.

Uma parte da humanidade, que vai se tornando hegemônica até o dilúvio, recusa e se esquece de Deus, entrega-se às suas habilidades e satisfações, não raro à violência. Outra procura andar com Ele e praticar a justiça. Ainda assim, mesmo os descendentes de Sete, que conta com homens como Enos, Enoque e Noé não escaparam a essa corrupção, posto que todos também tiveram filhos e filhas e que todos são destruídos no dilúvio. Ainda se tomarmos literalmente as idades mencionadas em Gênesis, se não me equivoquei nas somas, veremos que todos os descendentes de Sete, com exceção apenas de Sete e Enoque, viveram até o nascimento de Noé, e que Matusalém morreu no ano exato do dilúvio. Se antes, ou durante, não sabemos, mas uma boa parte dos filhos de todos eles, como dos descendentes de Caim, morreu no dilúvio.

Tabela 2: Gerações de Adão a Noé, durações, org. do autor

Se tivermos que pensar o que fica de essencial dessas gerações é que os passos de Caim, e de toda uma geração, foram para longe de Deus, favorecendo um coração continuamente mal. Como Caim, que “Retirou-se Caim da presença do SENHOR” (Gênesis 4.16), assim foram os caminhos daquelas gerações. No entanto, o caminhar de Enoque e Noé é com Deus:

Enoque andou com Deus. (Gênesis 5.22 BJ)

Eis a história de Noé. Noé era homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos; Noé andava com Deus. (Gênesis 6.9)

 


BIBLIOGRAFIA CITADA

KIDNER, Derek. Gênesis, introdução e comentário. Trad. Odayr Olivetti. São Paulo: Vida Nova, 2011.

TRADUÇÕES DAS ESCRITURAS UTILIZADAS

BÍBLIA DE JERUSALÉM. 1a. Edição, 11a. Reimpressão. São Paulo: Paulus, 2016.

BÍBLIA. Edição Almeida Revisada E Corrigida. Sociedade Bíblica Do Brasil, on line, São Paulo, s/d. Disponível em http://www.sbb.org.br/conteudo-interativo/pesquisa-da-biblia/ acesso entre 09 de setembro e 02 de outubro de 2017.

 


NOTAS

1Kidner (2011 p. 72) observa a esse respeito: “Dois dos nomes aqui, Enoque e Lameque, são usados nas duas famílias (cf. 5:18,25); as semelhanças entre os outros são mais notórias no inglês do que no hebraico”. No entanto, para a Bíblia de Jerusalém “Os mesmos nomes aparecerão, com variantes, na genealogia sacerdotal de Set, entre Cainã e Lameque (5,12-28). A atribuição de Set ser uma genealogia sacerdotal decorre de interpretações sem amparo bíblico, da divisão em supostos autores javistas e sacerdotais, que considero uma leitura muito frágil do texto.